Você sabia que toda empresa geradora de resíduos deve seguir boas práticas de gerenciamento no momento de realizar o descarte dos mesmos? Empresas de serviços da saúde devem atender às boas práticas determinadas na RESOLUÇÃO – RDC de nº 222/2018 publicada pela ANVISA em março deste ano.

O gerenciamento dos Resíduos de Serviços da Saúde constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases científicas e técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a produção de resíduos e proporcionar aos resíduos gerados, um encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando à proteção dos trabalhadores, a preservação da saúde pública, dos recursos naturais e do meio ambiente.

O Plano

No que consiste o PGRSS?

Um PGRSS consiste em um documento técnico descritivo das ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos, observadas suas características e riscos.

O Plano de Gerenciamento de Resíduos da sua empresa deve ser compatível com as normas locais relativas à coleta, transporte e disposição final dos resíduos gerados, estabelecidas pelos órgãos locais responsáveis.

PGRSS

Minha empresa é geradora de resíduos?

São considerados geradores de resíduos de serviços da saúde os serviços públicos e privados, filantrópicos, civis ou militares, cujas atividades estejam relacionadas à saúde humana ou animal, inclusive os serviços de assistência domiciliar, laboratórios analíticos de produtos para saúde, necrotérios, funerárias e serviços onde se realizam atividades de embalsamamento, serviços de medicina legal, drogarias e farmácias (inclusive as de manipulação), estabelecimentos e ensino e pesquisa na área de saúde, centros de controle de zoonoses, distribuidores de produtos farmacêuticos, importadores distribuidores de materiais e controles para diagnostico in vitro, unidades móveis de atendimento à saúde, serviços de acupuntura, serviços de piercing e tatuagem, salões de beleza e estética.

Atividades relacionadas à saúde humana ou animal, drogarias e farmácias, serviços de acupuntura, serviços de piercing e tatuagem, salões de beleza e estética são alguns dos serviços os quais devem atender a um Plano de Gerenciamento dos Resíduos para descarte correto dos mesmos.

Classificação dos Resíduos

GRUPO A: Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção;
GRUPO B: Resíduos contendo produtos químicos que apresentam periculosidade à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade, mutagenicidade e quantidade;
GRUPO C: Qualquer material que contenha radionuclídeo em quantidade superior aos níveis de dispensa especificados em norma da CNEN e para os quais a reutilização é imprópria ou não prevista;
GRUPO D:  Resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares;
GRUPO E: Materiais perfurocortantes ou escarificantes, tais como: lâminas de barbear, agulhas, escalpes, ampolas de vidro, brocas, limas endodônticas, pontas diamantadas, lâminas de bisturi, lancetas; tubos capilares; ponteiras de micropipetas; lâminas e lamínulas; espátulas; e todos os utensílios de vidro quebrados no laboratório (pipetas, tubos de coleta sanguínea e placas de Petri) e outros similares.

Destinação Correta

A partir da identificação da categoria dos resíduos, pode-se definir o correto destino para descarte dos mesmos. Os RSS que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico devem ser encaminhados para reciclagem, recuperação, reutilização, compostagem, aproveitamento energético ou logística reversa.

Gestão Ambiental Normaliza

A Normaliza oferece auxílio às etapas de elaboração, implantação e monitoramento do PGRSS da sua empresa. Entre em contato e converse com nossos profissionais especialistas em gestão ambiental.

Saiba o que é um Plano de Gerenciamento de Resíduos e as suas etapas